Marco de Canaveses: Líder do CDS demite-se por rejeitar coligação com PSD

CarlosPinheiro_CDS_Marco_2021.03.03

O presidente da concelhia de Marco de Canaveses do CDS/PP, Carlos Pinheiro, anunciou hoje a sua demissão do cargo por discordar com a estratégia nacional do partido de coligações autárquicas com o PSD, incluindo no seu concelho.

“Enquanto líder deste partido no concelho de Marco de Canaveses e como é do conhecimento público, não partilho da tomada de posição do presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, por entender que, numa tentativa de salvação, mais pessoal do que do partido em si, definiu uma estratégia absurda de coligações ou geringonças para as eleições autárquicas, com o Partido Social Democrata, da qual sai amplamente protegido num acordo muito questionável, que apenas beneficia o próprio PSD e determinados elementos do CDS-PP, hipotecando assim o futuro do nosso partido”, lê-se num comunicado enviado à agência Lusa.

O dirigente demissionário acrescenta que “estas diretrizes chegaram evidentemente às comissões concelhias do partido e o concelho de Marco de Canaveses não foi exceção”.

“No mesmo sentido”, prossegue Carlos Pinheiro, “surgiu uma vergonhosa força no interior do CDS-PP Marco de Canaveses, com intuitos, infelizmente, mais do que partidários e maioritariamente assentes em jogos de bastidores, de poder, de estatuto e posicionamento pessoal”.

“É completamente intolerável lidar, compactuar ou ceder com posturas destas”, sublinha ainda.

Recorda, por outro lado, que “em 46 anos de existência do CDS-PP, com exceção feita por altura da Aliança Democrática a nível nacional, nunca existiu em Marco de Canaveses coligação do CDS-PP com qualquer outro partido, o que evidencia e embeleza ainda mais o que foi uma história de força partidária pautada por grande singularidade a nível nacional”.

“Alinhando-me com a forma de proceder atrás descrita, estaria, enquanto presidente do CDS-PP de Marco de Canaveses, não só a desvirtuar os princípios basilares da própria existência do partido, mas até mesmo alguns dos princípios mais elementares da nossa democracia e de qualquer ser humano”, reforça o líder demissionário.

Carlos Pinheiro insiste não aceitar “ser coagido por este tipo de pressão”, decidindo, assim, pôr “fim a esta caminhada à frente de um partido”, alertando que, “se [o CDS-PP] rapidamente não mudar o seu rumo, poderá entrar numa definitiva e irreversível espiral destrutiva”.

O CDS-PP presidiu à Câmara de Marco de Canaveses durante vários mandatos liderados por Avelino Ferreira Torres.

Nas autárquicas de 2005, ano em que Avelino Ferreira Torres decidiu candidatar-se como independente à presidência do vizinho concelho de Amarante, de onde era natural, o CDS-PP perdeu a liderança do município de Marco de Canaveses para o social-democrata Manuel Moreira, que governou até às autárquicas de 2017.

Naquele ano, o CDS-PP elegeu um vereador, o antigo presidente da Câmara de Castelo de Paiva, Paulo Teixeira, que acabou, alguns meses após as eleições, por renunciar ao mandato, sendo substituído por Alcino Vieira, ao qual, em janeiro, o partido retirou a confiança política.