FUTEBOL: Presidente do Amarante FC considera uma “tremenda injustiça” castigo de um jogo à porta fechada [C/AUDIO]

RicardoRibeiro_2024.05.14

O presidente do Amarante FC, Ricardo Ribeiro, considera “uma tremenda injustiça” o castigo de um jogo à porta fechada aplicado ao clube pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e que terá de ser cumprido no próximo domingo, na receção ao Pevidém SC, da 4.ª jornada da fase de acesso à Liga 3.

 

Esta situação decorre de um alegado apoio do Amarante FC a um grupo organizado de adeptos no jogo da época passada, contra o Vianense, da última ronda da Fase de Apuramento de Campeão.

Ricardo Ribeiro lamenta o castigo, sobretudo, numa fase tão importante da temporada, com a equipa envolvida na discussão pela subida à Liga 3.

“É uma tremenda injustiça aplicar o castigo nesta fase da época. Numa fase regular seria, mais ou menos, expectável, dado que teríamos sempre de cumprir o castigo, agora numa fase excecional, para nós, é algo de inacreditável”, afirmou.


“Este castigo tem que ver com o último jogo da época passada. A direção ofereceu alguns bilhetes a associações da cidade e a escolas por ser o jogo decisivo, mas a Federação alegou que essas ofertas também foram para um grupo de adeptos, que supostamente seriam uma claque e não um grupo devidamente organizado. Além disso, também apareceu uma tarja no estádio”, explicou.

O presidente do Amarante FC elucida que “inicialmente o castigo até era maior”, mas o clube recorreu da decisão. No entanto, chegado a este ponto, novo recurso teria de ser apresentado no Tribunal Arbitral do Desporto (TAD), algo que é “financeiramente incomportável”.

Assim, o Amarante FC vai mesmo ter de jogar a partida do próximo domingo com o estádio vazio. Ricardo Ribeiro desvenda que o plantel recebeu esta noticia com “grande tristeza, porque os jogadores e treinadores de ambas as equipas gostam de ter espetadores nas bancadas”.


“Chegar a uma fase final, onde o número de adeptos cresce exponencialmente e, poderíamos estar a falar de duas a três mil pessoas, ter de jogar à porta fechada é um forte revés para todos”, vincou.

A formação alvinegra não vai ter adeptos nas bancadas na receção ao Pevidém, mas Ricardo Ribeiro acredita que o apoio vai fazer-se sentir fora do estádio.

“Acredito que as pessoas vão formar uma onda humana, muito forte, à volta do estádio e os jogadores vão sentir esse calor e esse carinho dos adeptos”.


O Amarante FC está neste momento, com três jornadas decorridas, no segundo lugar da tabela, em zona de subida, com quatro pontos, os mesmos do São João de Ver, e três de atraso para o líder Limianos. O Pevidém SC ocupa a última posição, com um.

Ricardo Ribeiro acredita na promoção à Liga 3, mas pede que esta fase seja decidida apenas dentro das quatro linhas.

“Estamos muito confiantes no trabalho que a direção, a equipa técnica e jogadores têm feito e só queremos jogar onze contra onze. Esperamos que possa depender do nosso valor e não de outros fatores. Neste momento, é isso que espero. Tem acontecido muita coisa estranha nesta fase final. A única coisa que queremos é que nos deixem jogar”, pediu.


O jogo entre Amarante FC e Pevidém SC, da 4.ª jornada da Fase de Subida à Liga 3, está agendado para domingo, 19 de maio, às 17h00.