FUTEBOL: FC Alpendorada quer campeonato jogado “até ao fim” [C/AUDIO]

Alpendorada_2021.03.03

Até ao momento, a Associação de Futebol do Porto (AFP) ainda não se pronunciou sobre a retoma das competições e em que moldes pensa fazê-lo. Seja qual for a decisão, não será consensual entre os clubes. O FC Alpendorada, por exemplo, defende que a Divisão de Elite deve jogar-se “até ao fim”.

“O FC Alpendorada quer levar o campeonato até ao fim”. A posição do emblema do concelho de Marco de Canaveses é revelada pelo responsável financeiro, Américo Costa, que defende o regresso da principal prova da associação portuense no inicio de abril e a sua conclusão em junho, com duplas jornadas semanais, ao domingo e há quarta-feira, de forma a ser possível encaixar as 21 jornadas em falta.

“Já ouvi muita coisa, muitos presidentes a falar e cada um defende a sua tese. A tese do Alpendorada é que quer levar o campeonato até ao fim. Sei que não é possível prolongar o campeonato para lá do mês de junho, por isso, estamos disponíveis para jogar a meio da semana”, adianta.

“A minha expetativa é que no final deste novo confinamento, que termina no dia 16, haja autorização para os clubes regressarem aos treinos. E que no inicio de abril, comece a competição. Não tenho qualquer informação nesse sentido, mas é minha convicção de que será assim”, acrescenta.


Américo Costa não concorda que, tal como na época passada, a Divisão de Elite seja suspensa sem lugar “a descidas e a subidas”.

“Eu sei que há equipas que, se calhar, têm interesse em que o campeonato não acabe e que ninguém seja despromovido. Nós defendemos que o campeonato deve ir até ao fim. Quem tiver que subir sobe, quem tiver que descer, desce. A verdade desportiva deve ser discutida dentro das quatro linhas”, sustenta.

A conclusão do campeonato após o final da primeira volta é um desfecho que Américo Costa rejeita, ainda que reconheça que esse é um recurso “que está regulamento desde o inicio da época”.

“Essa solução não é do agrado do Alpendorada, nem deve ser de ninguém. Essa até seria um cenário benéfico para nós, porque estamos bem classificados. Mas não queremos isso. Queremos obter a melhor classificação possível dentro de campo”, sublinha.


Recentemente, numa entrevista à Marcoense Fm, o presidente do Aliados de Lordelo, Filipe Carneiro, defendeu um novo formato competitivo para o regresso da competição. Ou seja, o fim imediato do campeonato sem lugar a despromoções e criação de uma prova final, com o intuito de encontrar as equipas a ser promovidas ao Campeonato de Portugal (CdP) e as que terão uma vaga na próxima edição de Taça de Portugal.

Esta competição seria de acesso facultativo e ajustada de acordo com o número de equipas inscritas, as quais iniciariam a sua participação com metade dos pontos obtidos até à paralisação do campeonato, corrigidos com o coeficiente obtido pelo número de pontos e jogos realizados.

Uma hipótese que dirigente do Alpendorada diz não fazer sentido, mesmo com o argumento de que esse modelo serviria para aligeirar os encargos financeiros para os cofres dos clubes, já depauperados devido ao impacto da pandemia da Covid-19.

“O presidente do Aliados falou, por exemplo, nas taxas de jogo e do policiamento, mas as despesas serão as mesmas, porque os jogos serão praticamente os mesmos. O que eu defendo é que a Associação deveria abolir a taxa de jogo para ajudar os clubes. O mês tem que se pagar aos jogadores, por isso tanto vale jogar ao domingo, como há quarta, como há segunda-feira. Continuo a defender que o campeonato deve ir até ao fim”, enfatizou.


O FC Alpendora ocupa atualmente o quarto lugar da tabela classificativa da série 2 da Divisão de Elite AF Porto, com 27 pontos, os mesmos do Sousense (3º) e do Freamunde (2º), e a seis pontos de distância do líder Rebordosa.

A pensar no regresso da competição, o emblema azul e branco reforçou o plantel às ordens de Renato Coimbra com o médio Alex Silva, ex-Amarante.