Resende: Reflorestação do Vale de Cabrum está em marcha (C/ AUDIO)

Bolota_2017.11.27No último sábado, mais de 50 voluntários participaram numa sementeira de bolotas na localidade de Ovadas de Baixo – Resende. Ao longo de todo o dia, mais de 7 mil bolotas de castanheiros, carvalhos e nogueiras foram semeadas em ambiente de viveiro.

O objetivo da sementeira de bolotas prende-se com a ação de reflorestação do Vale do Cabrum, que divide os concelhos de Resende e Cinfães, através da criação de uma associação.

A Bolota – Associação de Valorização e Desenvolvimento do Vale do Cabrum está já em fase de constituição e em breve será registada oficialmente.

A época de semear, normalmente nos meses de outubro e novembro, acelerou o processo e, mesmo antes do registo oficial da associação, foi necessário pôr mãos à obra.

“Nós já andávamos a pensar no modelo de preparação desta atividade, mas nunca para acontecer em novembro. Era para acontecer na primavera em que nos dava mais tempo para preparar uma sementeira com condições dignas de receber muito mais gente. No entanto as indicações que nós fomos tendo apontavam para que a sementeira devia ser executada durante o outono”, explicou Tiago Colaço, um dos responsáveis da organização.

Há muito que o Vale do Cabrum, inserido na Serra do Montemuro é vítima da desertificação a que assistimos nos últimos anos nos territórios interiores. Para Tiago Colaço, os incêndios trágicos deste verão sensibilizaram a sociedade para um maior cuidado com a natureza e a floresta.

“É importante salientar que não é o primeiro verão que nos municípios de Resende e Cinfães ardem inúmeros hectares de terreno. Houve sim, um efeito a nível nacional. Vimos muita gente perder as suas vidas, os seus bens, os seus afazeres. De repente, a sociedade começa-se a debruçar sobre a questão do ambiente e das florestas, mas espero que isto não termine agora”, alerta o responsável da Bolota.

A acompanhar a atividade estiveram responsáveis do Instituto de Conservação da Natureza e da Quercus.

João Branco, presidente da Quercus, diz que os incêndios deste ano alertaram a classe política para o perigo do abandono do interior do país.

“Hoje até o sr. primeiro-ministro fala de floresta autóctone, o que é muito bom sinal. É um tema que estava meio esquecido por que também não interessava estar a falar por causa do poder da indústria do eucalipto e hoje todos os políticos do país têm consciência que é preciso fazer alguma coisa em relação ao eucalipto e que os territórios não podem ser eucaliptos de uma ponta à outra”, afirmou João Branco.

Depois do registo oficial da Bolota, novas atividades se vão seguir relacionadas com a reflorestação na área abrangida pelo Vale do Cabrum nos concelhos de Resende e Cinfães.

 


Reportagem de João Pereira