Marco de Canaveses: Unidade de Cuidados Continuados da Santa Casa pode encerrar [C/AUDIO]

AmeliaFerreira_2020.01.09

O serviço de cuidados continuados de longa duração da Santa Casa da Misericórdia de Marco de Canaveses corre o risco de encerrar.

A provedora Maria Amélia Ferreira lamenta a situação, mas reconhece que essa é uma forte possibilidade, tendo em conta os prejuízos acumulados ao longo dos últimos 8 anos, que ascendem a quase meio milhão de euros.

“As verbas atribuídas aos doentes de cuidados continuados de longa duração não chegam para pagar os gastos inerentes a estes mesmos doentes. Feitas as contas são cerca de 500 mil euros de défice que a unidade dá à Santa Casa da Misericórdia”, esclarece.

Maria Amélia Ferreira dá a entender que para assegurar a viabilidade económica do serviço será necessário aumentar o valor da comparticipação diária por utente, que nesta altura é “de 62 euros e 25 cêntimos”.

A sobrevivência da unidade está dependente dos acordos que poderão ser feitos nos próximos meses.

“Vamos ver como isto vai evoluir. Eu gostava que as pessoas tivessem a noção de que para os cuidados continuados de longa duração, em que são doentes muito graves, os custos de manutenção são muito elevados, e o que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) paga, é muito pouco”, acrescenta.

Atualmente, a unidade de continuados da Misericórdia do Marco acolhe 20 utentes, 12 deles sem qualquer retaguarda familiar. Por isso, a provedora da Santa Casa sublinha que este é também um problema social.

“Isto é uma situação que é muito dolorosa e tem sido muito discutida. Neste momento não temos possibilidade de aumentar a capacidade. Se tivéssemos a possibilidade de aumentar para 30 ou 40 vagas, talvez conseguíssemos um equilíbrio económico e financeiro, mas não temos espaço”, conclui.

 


Amélia Ferreira | Provedora da Santa Casa da Misericórdia de Marco de Canaveses