Marco de Canaveses: Pedro Costa e Silva apreensivo com impacto da Covid-19 nas empresas do concelho e região [C/AUDIO].

PedroCostaSilva_2020.03.20

A crise sanitária provocada pelo coronavirus terá efeitos incalculáveis na economia, apesar do Governo ter anunciado um pacote de medidas para apoiar os diversos setores.

O turismo um dos vetores que mais contribui para alavancar a economia está parado, assim como o comércio e serviços.

“Esta crise veio numa altura muito difícil”, diz o economista Pedro Costa e Silva.


Na altura da Páscoa, o concelho de Marco de Canaveses e toda esta região recebiam muitos turistas, “era uma forma de alavancar o volume de negócios das empresas, o que já não vai acontecer”, refere.

O impacto que a pandemia terá na indústria do têxtil e dos granitos também preocupa o economista.

“São empresas que, pela sua estrutura organizacional, têm um numero de trabalhadores muito elevado. Vão estar encerradas e, por isso, vão ser muito afetadas”, sublinha.


O economista frisa que todas as empresas “vão precisar do apoio do Governo ou poderá dar-se a situação trágica de lançar centenas de pessoas no desemprego”.

Apesar de ressalvar que “dependerá da duração desta crise sanitária”, Pedro Costa e Silva teme que a pandemia da Covid-19 possa vir a originar “uma recessão muito superior à que se verificou em 2008”.


“Estamos todos bastantes apreensivos porque não há memória de uma situação como esta. Nunca se verificou algo assim, não há estudos como a economia se vai comportar perante esta nova situação”, conclui.

O Governo anunciou um conjunto de linhas de crédito para apoio à tesouraria das empresas no montante total de 3.000 milhões de euros, destinadas aos setores mais atingidos pela pandemia.