Marco de Canaveses: Eletrificação do troço Caíde e Marco inaugurada na segunda-feira [C/AUDIO]

ComboioMCNV_2019.07.11

A inauguração, na próxima segunda-feira, da obra de eletrificação do troço da Linha do Douro entre Caide e Marco de Canaveses põe fim a décadas de luta e reivindicação da população.

A infraestrutura, que será inaugurada pelo Primeiro-Ministro, António Costa e o Ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, é considerada muito importante para o concelho e a região.

“Foi uma luta constante da Comissão de Utentes, com a ajuda da população e dos vários executivos da Câmara Municipal de Marco de Canaveses. Conseguimos o nosso objetivo e as melhorias são muitas, as pessoas vão deixar de se deslocar de carro para Caíde, Penafiel ou até mesmo Paredes, como acontecia até aqui. Além disso, o comboio urbano é mais barato e com a entrada em vigor do passe social, as pessoas vão poupar muito dinheiro no final do mês”, explica António José Pereira.

O primeiro comboio a circular no novo troço eletrificado chegará a Marco de Canaveses, às 2:35 da manhã, do próximo domingo, 14 de julho.

A inauguração vai ter lugar em Caíde de Rei, concelho de Lousada, na segunda-feira, 15 de julho. Uma decisão “incompreensível”, diz o responsável da Comissão de Utentes.

“Foi uma luta constante ao longo de muitos anos e o povo do Marco não merecia esta desconsideração. Não faz sentido ser a Câmara de Lousada a inaugurar esta obra. Devia ser a Câmara do Marco de Canaveses com a população e a Comissão de Utentes”, atira.

A luta pela eletrificação do troço da Linha do Douro entre Caíde de Rei e Marco de Canaveses passou por três executivos municipais (CDS, PSD e PS).

“Um agradecimento público às pessoas que colaboraram connosco, desde o executivo de Ferreira Torres, através do Norberto Soares, que nos acompanhou a Lisboa a diversas reuniões, ao executivo de Manuel Moreira e à atual liderança da autarquia, que muito colaboraram. Fazia todo o sentido que estas pessoas fossem convidadas para a inauguração, e que esta fosse aqui”, remata.

A obra, no valor de 10 milhões de euros, dotou  este troço com 14,4 quilómetros da Linha do Douro de condições de circulação para comboios com tração elétrica.

 


António Pereira | Comissão Utentes da Linha do Douro