Baião: Regresso às aulas no concelho acontece entre 16 e 17 de setembro [C/AUDIO]

PinhoSilva_2020.09.14

Os cerca de 1200 alunos do concelho de Baião iniciam o ano letivo entre os dias 16 e 17 de setembro e com novas regras para cumprir, devido à pandemia da covid-19.

Esta nova realidade obrigou a alterações na organização dos estabelecimentos de ensino para corresponder às exigências definidas pelo Ministério da Educação e pela Direção-Geral da Saúde (DGS) para ajudar a manter a escola aberta o máximo tempo possível.

O vice-presidente da Câmara Municipal de Baião e vereador do pelouro da educação, José Pinho Silva, esta segunda-feira concluiu uma visitou aos três agrupamentos de escolas do concelho

O autarca esteve acompanhado de Gabriela Saldanha, Delegada de Saúde Local e José Manuel Ribeiro, Coordenador Municipal da Proteção Civil, e quis inteirar-se do ponto de situação quanto ao cumprimento dos planos de contingência definidos por cada agrupamento.

“Nós temos feito um esforço muito grande de consciencialização da comunidade educativa. Convidei outros parceiros, não só para lermos os planos de contingência, mas irmos às escolas ver como na prática são implementados. Foram dadas indicações, sugestões e propostas alterações, para que as coisas corram bem”, explicou.

O serviço de transportes escolares vai funcionar com a mesma dinâmica dos anos anteriores excepto na sua lotação, que está limitada a dois terços por cada viatura, uma alteração que vai obrigar a autarquia local a um investimento financeiro de cerca de 600 mil euros.

O vereador apelou ao bom senso das transportadoras nos preços que são praticados dentro da mesma região.

“Nós não podemos ter na nossa região empresas que cobram preços diferentes por km e, normalmente, cobram mais caro às comunidades mais dispersas e com menores recursos financeiros. Nesta guerra de saúde pública todos temos o dever de colaborar”, acrescenta.

José Pinho Silva admite que apesar de não haver “risco zero” devido à pandemia o regresso das crianças e jovens aos bancos da escola é fundamental.

“Se houve coisas que esta pandemia tem evidenciado é o papel importantíssimo que a escola representa na sociedade. Nós temos jovens a atingir picos de saturação psíquica e psicológica que a seguir, se isto não funcionar bem, vão ter de passar para o tratamento médico”.

“Temos de estar consciencializados que temos de dar o nosso contributo para que as coisas corram bem”, conclui.

José Pinho Silva | Vereador da educação