ANDEBOL: ARCA quer “mudar imagem” da época anterior na 1ª Divisão Nacional [C/AUDIO]

ARCA_2020.10.14

O campeonato nacional da 1ª divisão em andebol feminino arranca no próximo fim-de-semana, após uma paragem de mais de sete meses, devido à pandemia da Covid-19. A Associação Recreativa e Cultural de Alpendorada (ARCA) parte para a nova época com o objetivo de “mudar a imagem” deixada na temporada anterior.

Em 2019/2020, o emblema do concelho de Marco de Canaveses conquistou apenas duas vitórias em 24 jogos disputados. O técnico Alexandre Monteiro manifesta a vontade da equipa em não repetir os mesmos erros da época passada.

“Estamos ansiosos para começar o campeonato. Queremos mudar a imagem que deixamos durante o campeonato passado, que não foi a melhor. Quando o campeonato acabou, a classificação não refletia o valor da nossa equipa, e nós queremos começar o quanto antes, para mudar a nossa imagem”, adianta.


“Queremos evitar a situação que foi vivida, porque não é fácil treinar uma equipa que vem com um acumular de resultados negativos e de derrota após derrota. Vamos agora começar de novo e tentra fazer bem melhor do que no ano passado”, acrescenta o treinador da ARCA.

A permanência no principal escalão do andebol feminino em Portugal é o objetivo do clube de Alpendorada.

“Temos que ir passo a passo. O primeiro objetivo é criar uma base que nos permita ter uma manutenção na 1ª divisão e depois disso atingido podemos pensar um bocado mais à frente. Mas não queremos dar um passo maior que a perna”, adverte.


Alexandre Moreira sublinha que esta temporada o desafio será maior devido à alteração do formato da competição, que não terá as habituais fases de apuramento de campeão e de permanência. “O modelo competitivo é diferente, só há um campeonato a duas voltas, que faz com que margem de erro seja menor. E a contar com este tipo de modelo, as equipas reforçaram-se bastante”.

“Penso que vai ser um campeonato muito equilibrado, quer em cima, com três ou quatro equipas a lutarem pelos primeiros lugares, quer a meio da tabela ou entre as equipas que vão lutar pela manutenção”, explica.


Maria Cálix e Beatriz Barbosa (ex-São Félix Marinha), Liya Mingaleeva (ex-Alavarium), Ana Silva (ex-Académico), Margarida Fernandes (ex-Madeira SAD) e Josefina Rodrigues (ex-Maiastars) são as caras novas do plantel da ARCA.

Helena Peixoto, Patrícia Silva, Sara Brás, Ana Rita Neves, Inês Bouça, Catarina Mota, Márcia Valéria, Catarina Reis, Inês Pereira, Andreia Cibrão, Ângela Pessoa, Sofia Gonçalves, Leonor Gonçalves e Cristiana Vieira renovaram contrato.

Alexandre Monteiro recusa a ideia de um plantel mais forte, considerando antes que “está diferente”. “Nós perdemos três, quatro titulares da época passada. Conseguimos, no entanto, ir buscar alguns reforços para suplantar essas baixas. Temos um plantel mais equilibrado ao nível de jogadoras, mas só o tempo o dirá se estamos mais fortes ou não”.


“Tendo alguns reforços, o trabalho demora mais algum tempo. Em quase todas as posições temos jogadoras novas, o que dificulta muito o entrosamento entre elas. Tem sido um trabalho gradual de progressão e de complexidade”, sustenta.

A ARCA começa a temporada, em casa, diante do SIR 1ª Maio. A partida está agendada para sábado, às 18:00, no Pavilhão da Escola EB 2,3 de Alpendorada.

Alexandre Monteiro deseja entrar no campeonato a vencer, frente “a um adversário difícil”. “Tendo em conta o seu histórico, o SIR 1ª Maio ficou sempre nos lugares cimeiros do campeonato. Na teoria, é um dos adversários mais fortes, mas acredito que vamos fazer um bom jogo e atingir o nosso obetivo principal, que é ganhar”, conclui.

Esta época, a coletividade de Marco de Canaveses criou também uma equipa B sénior, que irá disputar o campeonato nacional da 2ª Divisão.